© 2017 - Eliastec Projetos e Construções LTDA

  • Grey Facebook Icon

O que é TELHADO ECOLÓGICO ou TELHADO VERDE?

São variadas as definições porém a ideia é a mesma, obter um jardim sobre a laje.

A vegetação sobre lajes contribui intensamente com a purificação do ar e com a redução dos efeitos das ilhas de calor, pois a água da chuva pode ser absorvida ou retraída pelo substrato, as plantas aumentam a umidade do ar e agem como isolantes térmicos, impedindo que a laje (ou paredes) se aqueça e armazene calor. Esse tipo de cobertura vegetal também proporciona um isolamento contra ruídos e uma redução de reflexões sonoras, além de ser um agente de despoluição visual.

No teto verde o tipo de substrato usado pode variar, mas o mais usual é a argila expandida especialmente desenvolvida para plantas. As esferas homogêneas têm uma porosidade ideal e garantem uma capilaridade adequada às plantas. Por serem bastante leves, reduzem bastante o peso do substrato. O sistema de irrigação que garante o desenvolvimento do jardim pode ser por gotejamento, aspersão ou geração de neblina.

 

No teto verde não há nenhum riscos de infiltração para os locais onde o jardim está instalado. Ele também exige pouca manutenção, pois o sistema de irrigação é automatizado, e pode ser retirado posteriormente, sem que a superfície original seja danificada.

 

A cobertura vegetal protege a parede e lajes das intempéries; ela evita a incidência direta da luz solar, da chuva, protegendo assim a capa externa da edificação. Atuando como um escudo contra calor e frio, a cobertura vegetal isola o edifício, e o deixa menos à mercê de influências das temperaturas externas. Graças a esse efeito de isolamento térmico, os jardins verticais proporcionam um sistema de refrigeração natural e, dependendo da estação, evitam o acúmulo ou perda de calor. Estudos comprovam uma diferença de 15 graus Celsius entre as paredes e lajes nuas e aquelas protegidas pelas plantas.

 

Podemos incorporar o verde (plantio) nos ambientes residenciais e até mesmo comerciais, mesmo que estes sejam prediais/edifícios.

 

No jardim suspenso, ou jardins sobre lajes, as plantas ficam sobre a laje ou plantadas em dutos verticais cultivadas hidroponicamente (em água nutricional) ou em substratos processados em um sistema de andares em declive e nível que otimize o fluxo descendente da irrigação. A água de chuva (pluvial) pode ser coletada do telhado e um sistema composto por cisterna, filtros de limpeza e decantação faz a primeira limpeza e depois um sistema interno de purificação elimina impurezas deixando a água potável para o uso – sistema interno de circulação recolhe e purifica o esgoto líquido. A base do plantio com substrato, areia, vermiculita, argila, bedin.

O projeto descrito acima é para grandes construções, contudo podermos utilizar as mesmas técnicas para construções menos custosas, construções populares. Basta impermeabilizar a área a ser utilizada com manta antiraiz, depois construímos. Colocamos um sistema simples de irrigação – mangueira que percorre toda a extensão com furações a cada 50 cm que possa efetuar a rega quando conectada manualmente numa torneira. A base de plantio deve ter de 15 a 50 cm de altura e se pode utilizar em qualquer largura (extensão do seu jardim de cultivo). O tipo de substrato utilizado e adubo dependerá do que se deseja plantar (comestíveis, ornamentais ou ambos).

A irrigação pode ser efetuada a partir de uma cisterna que reserva água de chuva captada por um sistema de captação por calhas (telhado) e drenos do próprio jardim.

 

 

 

O aumento de superfícies concretadas e impermeabilizadas nas cidades contribui não apenas para elevar as temperaturas, mas também para o aumento do escoamento de águas pluviais, além de ser uma das causas da redução da biodiversidade urbana. Em áreas urbanas, também é significativo o uso de energia para o aquecimento e/ou refrigeração em um número crescente de prédios.

 

A comprovação científica da importância desse tipo de jardim para o meio ambiente e sua biodiversidade, promoveu ações governamentais como o Decreto nº 55.994 (desde março/2015) que permite a conversão da compensação ambiental em obras e serviços, jardins verticais e coberturas verdes.

 

A valorização dos imóveis que possuem estes jardins, além dos inúmeros benefícios (diretos e indiretos) são argumentos suficientes para promover investimentos em jardins verticais.

 

Imóveis que possuem jardim vertical possuem também a possibilidade de purificar o ar urbano. As plantas, associadas aos micro-organismos, atuam como uma grande superfície de limpeza. Gases e partículas poluentes são retirados do ar e são lentamente decompostos e mineralizados, tornando-se adubo.

 

Notória é a valorização visual que este tipo de estrutura oferece dentro d construção (edificação), porém os benefícios vão muito além. O verde e as plantas agem como antiestresse e são relaxantes, promovendo o contato com a natureza e consequentemente nosso conforto ambiental colaborando para o bem-estar e a saúde psíquica do homem.

Porque fazer um TELHADO ECOLÓGICO: